NUNCA MAIS PASSE RAIVA POR NÃO CONSEGUIR RESOLVER UM PROBLEMA COM O EXCEL - GARANTIDO!

UNIVERSIDADE DO VBA - Domine o VBA no Excel Criando Sistemas Completos - Passo a Passo - CLIQUE AQUI

Você está em: PrincipalTutoriaisPaulocfarias : Redeswireless031
Quer receber novidades e e-books gratuitos?

FILTRO DE TUTORIAIS:


 

Redes Wireless – Parte XXI

 

9.5.3.1 – Vento

 

O vento não afeta o sinal RF em si, mas pode afetar o posicionamento das antenas impactando portanto na transmissão e/ou recepção do sinal. Por exemplo, considere duas antenas direcionais separadas por 5 Km em um link ponto a ponto, e que as antenas possuam uma largura de feixe horizontal e vertical de 5º, portanto são antenas altamente direcionais em que o alinhamento deve ser preciso para que o link esteja operacional. Bastaria uma rajada de vento forte o suficiente para mudar o posicionamento de uma das antenas e portanto prejudicar ou até mesmo interromper a operação do link de radio. Esse efeito é conhecido como carga de vento sobre a antena. A figura 134 ilustra a situação.

 

Figura 134 – Carga de vento sobre antena em um link ponto a ponto

 

9.5.3.2 – Raios

 

Raios podem afetar uma WLAN de duas formas. Primeiro um raio pode atingir tanto um componente WLAN quanto uma antena ou até mesmo objetos próximos. Raios atingindo objetos próximos podem danificar seriamente componentes de uma WLAN como se eles não estivessem protegidos por um centelhador. A segunda forma que uma WLAN pode ser afetada , é quando um raio atinge um objeto próximo situado entre o transmissor e receptor, causando o carregamento do ar por onde as ondas RF devem viajar. Esse efeito é similar ao efeito causado pela aurora boreal que prejudica transmissões de radio e televisão.

 

9.5.4 – Interferência de canal adjacente e mesmo canal

 

Possuir um entendimento sólido de como ocorre o uso de canal em uma WLAN é muito importante. É muito encontrarmos situações em que uma rede terá vários pontos de acesso operando no mesmo canal para atender uma determinada área. Acredita-se erradamente que os pontos de acesso e clientes devem estar operando no mesmo canal ao longo da rede para que a mesma opere corretamente. Embora essa configuração seja muito comum, ela é por vezes equivocada. Veremos a seguir como os canais são usados com vários pontos de acesso.

 

9.5.4.1 – Interferência de canal adjacente

 

Canais adjacentes são aqueles canais que estão sendo utilizados da banda RF e que estão lado a lado. Canal 1 está ao lado do canal 2, o 2 do 3 e assim sucessivamente. Devido a largura dos canais ser de 22 Mhz e as suas freqüências centrais estarem distantes apenas de 5 Mhz, esses canais se sobrepõem uns aos outros. A interferência de canal adjacente ocorre quando dois ou mais pontos de acesso estão usando canais que se sobrepõem e estão próximos o suficiente uns dos outros para causá-la, e as suas células se sobrepõem fisicamente. Conforme já vimos, este tipo de interferência degrada significativamente o throughput de uma WLAN.

 

É preciso muita atenção quando se estiver usando vários pontos de acesso para atender uma determinada área, mesmo que eles estejam operando em canais que não se sobrepõem. A interferência de canal adjacente pode acontecer mesmo nessas situações se não há separação suficiente entre os canais sendo utilizados, como mostrado na figura 135.

 

Figura 135 – Interferência de canal adjacente com 2 pontos de acesso muito próximos.

 

Observe que mesmo operando em canais que não são adjacentes, um ponto de acesso opera no canal 1 e outro no canal 3, por estarem muito próximos a interferência de canal ocorre da mesma forma.

 

Para detectar esse tipo de interferência basta usar um analisador de espectro. Ele irá mostrar como os canais sendo utilizados se sobrepõem uns com os outros em uma determinada área.

 

Para solucionar esse problema conforme já dissemos antes, basta que os pontos de acesso estejam suficientemente separados ou que se use canais bem afastados da banda RF , por exemplo, 1 e 11.

 

9.5.4.2 – Interferência de mesmo canal

 

Esse tipo de interferência pode ter o mesmo tipo de efeito que a do canal adjacente, mas as circunstâncias em que ela ocorre são completamente diferentes. A figura 136 mostra a interferência de mesmo canal visto em um analisador de espectro enquanto que a figura 137 mostra a configuração de rede que produziria esse problema.

 

Figura 136 – Interferência de mesmo canal visto por um analisador de espectro

 

Figura 137 – Pontos de acesso utilizando o mesmo canal em uma rede.

 

Vamos imaginar a rede de uma loja e que a mesma possua 3 andares, em cada andar existe um ponto de acesso operando no canal 1.  As células de cada ponto de acesso provavelmente se sobreporiam nessa situação. Como cada ponto de acesso estaria operando no mesmo canal haveria uma interferência entre eles.

 

Para diagnosticar este tipo de interferência, um sniffer wireless deveria ser utilizado. Ele seria capaz de capturar pacotes vindos de cada WLAN usando qualquer canal. Além disso ele mostraria a força do sinal de cada pacote dando uma idéia de como as WLANs estariam interferindo entre si.

 

As soluções para esse problema são as mesmas já descritas para as de canal adjacente.

 

Importante : Em situações onde a migração entre células é necessária, existe uma técnica chamada de re-utilização de canal que ao mesmo tempo  que alivia os efeitos das interferências de canal adjacente e mesmo canal, permite que haja migração entre células. Essa técnica consiste na utilização de canais que não se sobrepõem (1,6 e 11) em células que estão  “lado a lado”, formando uma malha de cobertura em que a célula de um canal não toca a célula de outro.

 

Figura 138 – Re-utilização de canal

 

9.6 – Considerações sobre Alcance

 

Quando considerando como posicionar um dispositivo wireless, o alcance das unidades deve ser levado em conta. Geralmente três coisas influirão no alcance de um link RF:

 

» Potência de transmissão

 

» Tipo das antenas e localização

 

» Ambiente

 

O alcance máximo de um link é atingido quando a partir de determinada distância ele se torna instável, mas não é perdido completamente.

 

9.6.1 – Potência de transmissão

 

A potência de transmissão de saída de um rádio influirá diretamente no alcance de um link. Quanto maior a potência de saída maior será o alcance do link já que o sinal poderá ir mais longe, por outro lado, quanto menor a potência menor será o alcance.

 

9.6.2 – Tipo da antena

 

O tipo da antena utilizada também influirá diretamente no alcance do link. Quanto menor for a largura do feixe mais longe irá o sinal resultando em um alcance maior, esse é o caso das antenas direcionais. Antenas omni direcionais por exemplo tem alcance menor por possuir uma largura de feixe maior.

 

9.6.3 – Ambiente

 

Um ambiente ruidoso pode impactar no alcance de um link RF. A taxa de erro de pacote é maior em um link RF se há uma relação S/N (sinal-ruido) baixa, reduzindo a probabilidade de manter um link estável. A freqüência de transmissão também influencia o alcance de um link RF. Por exemplo, um ponto de acesso com uma potência de saída de 50 mw, terá um alcance maior operando em 2.4Ghz do que operando em 5Ghz usando a mesma potência de saída.

 

Quer receber novidades e e-books gratuitos?

Contato: Telefone: (51) 3717-3796 | E-mail: webmaster@juliobattisti.com.br | Whatsapp: (51) 99627-3434

Júlio Battisti Livros e Cursos Ltda | CNPJ: 08.916.484/0001-25 | Rua Vereador Ivo Cláudio Weigel, 537 - Universitário, Santa Cruz do Sul/RS, CEP: 96816-208

Todos os direitos reservados, Júlio Battisti 2001-2021 ®

[LIVRO]: MACROS E PROGRAMAÇÃO VBA NO EXCEL 2010 - PASSO-A-PASSO

APRENDA COM JULIO BATTISTI - 1124 PÁGINAS: CLIQUE AQUI