NUNCA MAIS PASSE RAIVA POR NÃO CONSEGUIR RESOLVER UM PROBLEMA COM O EXCEL - GARANTIDO!

UNIVERSIDADE DO VBA - Domine o VBA no Excel Criando Sistemas Completos - Passo a Passo - CLIQUE AQUI

Você está em: PrincipalTutoriaisHerbertgois : Memorizacao005
Quer receber novidades e e-books gratuitos?

FILTRO DE TUTORIAIS:


Curso Sobre a Memória

 

A imaginação é mais importante que o conhecimento.

Albert Einstein

 

O PROCESSO NORMAL DE MEMORIZAÇÃO (continuação)

 

A OBSERVAÇÃO

 

B) Observe bem.

 

Quando se trata de lembrar de qualquer coisa, a atenção deve tomar uma forma mais precisa: é a observação. Para que se recorde bem certo quadro de um mestre, não basta que se limite a prestar-lhe uma certa atenção. Para começar, é preciso fazer uma idéia de conjunto; depois, torna-se necessário estudar-lhe os pormenores.

 

A partir do momento em que se trate de fixar qualquer coisa que comporta diferentes elementos ou diferentes aspectos, tem de se observar. Veremos também, ao estudar a associação, que esta carece ás vezes da observação de outros elementos além da noção ou objeto a fixar.

 

Para apreender a melhor observar, treine-se a examinar as coisas sob os seus diferentes aspectos e diferentes sentidos: veja o panorama geral e a cor, toque, sinta, prove, escute, examine o peso, o volume, a dureza, etc... Quanto maior número de sentidos em ação mais facilmente se recordará.

 

A observação da coisa a fixar é essencial. É esta primeira observação que vai produzir um registro inicial desta coisa na memória. Não poderá encontrar posteriomente na sua memória o que lá não tiver posto.

 

As lacunas da nossa memória provém, em grande parte, de um registro defeituoso, isto é, de uma impressão deficiente.

 

Quando quiser fixar um trecho ou uma poesia, deve observar atentamente a escolha das palavras, o ritmo das frases. Deixe que se formem no seu espírito as imagens sugeridas pelo autor.

 

Para se reterem as palavras, as idéias, é necessário dar-lhes imagens. Para se conservarem abstrações, é necessário tentar concretizá-las, tentar “vê-las” sob a forma de imagens.

 

Quando se tratar de reter noções ou fatos múltiplos, pode-se facilitar o seu registro através de abreviaturas e esquemas. É graças a símbolos e esquemas que se podem fixar mais facilmente as reações químicas ou as experiências de física ou as fórmulas matemáticas. Mas estes símbolos e abreviatuas podem ajudá-lo também em domínios diferentes. Procure aplicações na sua profissão.

 

Como Observar?

 

“Observar”: todos sabemos o que isso significa e, no entanto, geralmente observamos muito mal. Suponhamos que você devia observar um momento, a “Opera” (de Paris), por exemplo. Se proceder conforme 99 pessoas em cada 100, deixará sem dúvida que o seu olhar vá do comprimento para a largura, da altura para a base, se um pormenor para outro, etc... Se, 48 horas depois, lhe for pedida uma descrição preciosa da “Opera’, terá imensa dificuldade em fazê-la. Porque? Por que olhou mas não observou.

  1. Comece por observar as formas gerais: retangulares, triangulares, esféricas, assim como o modo como estão distribuídas.
  2. Examine as dimensões e as proporções: comprimento em relação á altura, etc...  
  3. Examine a arquitetura: fachada, ângulos, janelas andares, tetos...  
  4. Examine os detalhes: molduras, esculturas, ferragens, motivos decorativos, etc...

Procedendo desta maneira, você faz uma observação verdadeira que deixará na sua memória uma impressão duradoura.

 

Este método de observação não é válido, unicamente, em relação aos monumentos: aplica-se a tudo – passagens, quadros, objetos, plantas, feições, etc...

 

Passe sempre pelas fases seguintes:

  • Observação da forma geral, do volume;
  • Observação e avaliação das dimensões e proporções;
  • Estrutura geral, aspecto, estilo, cores, etc.;
  • Exame da diferentes partes componentes;
  • Exame dos pequenos pormenores no interior dessas partes.

Para ser fixar estas observações eficientemente é muito vantajoso pôr-se, simultaneamente, a si mesmo, as perguntas e formular as respectivas respostas, como os exemplos abaixo:

  • Qual a forma do teto? O teto tem uma triangular. A
  • A altura é mais importante que a largura? Não: a altura é inferior, em cerca de um quarto.
  • Quantas colunas há? Há oito colunas na fachada. Que representam batalhas da antiguidades, etc...

C) Classificação

 

O registro das idéias, das noções, dos fatos, é facilitado pela classificação. A classificação consiste, por um lado, em agrupar o conjunto de dados s emelhantes, por outro, ligar esses dados a um grupo mais geral.

 

Por exemplo, examine o quadro de objetos que faz parte do exercício nº 1, do primeiro tutorial. Você ficará com grande probabilidade de fixar tais objetos se os agrupar em redor da mesma idéia:

 

À volta da idéia de refeição, a agrupará, por exemplo:

  • Garrafa
  • Copo
  • Cafeteira
  • Taça
  • Faca

À volta da idéia de “toilette” e de roupa, você agrupará:

  • Nó de borboleta
  • Tesoura
  • Linhas
  • Botão
  • Alfinete de molas
  • Sapatos
  • Escova.

Ao redor das idéias de repouso e leitura:

  • Jornal
  • Óculos
  • Livro
  • Lâmpada elétrica
  • Cachimbo
  • Fósforo
  • Lápis
  • Carta

A classificação pode ser feita mentalmente, mas se tratar de noções complexas, é recomendável fazer-se um quadro sinótico.

 

O quadro sinótico é de uso geral. Enquanto que o esquema ou as abreviaturas são somente transcrições simplificadas de dados que se prestam a esquematização ou abreviatura, o quadro sinótico pode empregar-se sempre que se pretenda ter uma visão de conjunto de uma questão, mesmo complexa.

 

A seguir damos o exemplo de como se estabeleceria o quadro sinótico do plano deste curso consagrado ao desenvolvimento da memória.

 

Se lhe fosse necessário conhecer este plano de cor, sem dúvida que este quadro sinótico seria a melhor maneira de classificar e observar, para o fixar.

 

Nota: O quadro sinótico junto não segue rigorosamente a ordem das lições, mas reagrupa o seu conteúdo numa ordem lógica.

 

QUADRO SINÓPTICO DO CURSOS SOBRE A MEMÓRIA
Introdução Princípios rudimentares Princípios Gerais
Método de aplicação na vida cotidiana Método em relação com os sentidos Associações gerais Aplicação no estudo das letras e ciências Outras aplicações
Tabelas e Concatenações, Aplicações e outros estudos Articulações numéricas Método geográfico, matemático, línguas, etc. Ordens gerais de fixações

 

EXERCICIO Nº 19

 

Continue o exercício de concentração n 18

 

EXERCICIO Nº 20

 

Eis um exercício de concentração bastante fácil, mas, no entanto, excelente: conte, da frente para trás, partindo de 200 até 2 e saltando os números de 3 em 3 : 200- 197- 194- 191- 188- etc...

 

EXERCICIO Nº 21

 

Este exercício é semelhante ao exercício nº 1. Observe atentamente o seguinte quadro de objetos durante um minuto. Depois, tente agrupar e classificar os objetos, conforme acabamos de sugerir. No entanto, esta classificação é muito mais difícil de realizar que a do exercício nº 1, mas você verá que já conseguira um resultado melhor.

 

 

EXERCICIO Nº 22

 

Observe a seguinte figura e responda o questionário que se segue anotando quantas respostas acertou.

 

 

O que faz a pessoa da direita?

 

Qual a atitude da pessoa da esquerda?

 

Qual é a forma do pé da mesa?

 

O que esta sobre a chaminé?

 

Quantas velas tem no candelabro?

 

Qual o aspecto e a forma do assoalho?


Confira todos os artigos de Memorização:

Quer receber novidades e e-books gratuitos?

Cursos Online

  • Banco de Dados
  • Carreira
  • Criação/Web
  • Excel/Projetos
  • Formação
  • + Todas as categorias
  • Contato: Telefone: (51) 3717-3796 | E-mail: webmaster@juliobattisti.com.br | Whatsapp: (51) 99627-3434

    Júlio Battisti Livros e Cursos Ltda | CNPJ: 08.916.484/0001-25 | Rua Vereador Ivo Cláudio Weigel, 537 - Universitário, Santa Cruz do Sul/RS, CEP: 96816-208

    Todos os direitos reservados, Júlio Battisti 2001-2020 ®

    [LIVRO]: MACROS E PROGRAMAÇÃO VBA NO EXCEL 2010 - PASSO-A-PASSO

    APRENDA COM JULIO BATTISTI - 1124 PÁGINAS: CLIQUE AQUI