NUNCA MAIS PASSE RAIVA POR NÃO CONSEGUIR RESOLVER UM PROBLEMA COM O EXCEL - GARANTIDO!

UNIVERSIDADE DO VBA - Domine o VBA no Excel Criando Sistemas Completos - Passo a Passo - CLIQUE AQUI

Você está em: PrincipalArtigosWindows : TCP/IP - Parte 10
Quer receber novidades e e-books gratuitos?

Tutorial de TCP/IP - Júlio Battisti - Parte 10
Introdução ao WINS

Esta é a décima parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na Parte 2 falei sobre cálculos binários, um importante tópico para entender sobre redes, máscara de sub-rede e roteamento. Na Parte 3 falei sobre Classes de endereços, na Parte 4 fiz uma introdução ao roteamento e na Parte 5 apresentei mais alguns exemplos e análises de como funciona o roteamento e na Parte 6 falei sobre a Tabela de Roteamento. Na Parte 7 tratei sobre a divisão de uma rede em sub-redes, conceito conhecido como subnetting. Na Parte 8 fiz uma apresentação de um dos serviços mais utilizados pelo TCP/IP, que é o Domain Name System: DNS. O DNS é o serviço de resolução de nomes usado em todas as redes TCP/IP, inclusive pela Internet que, sem dúvidas, é a maior rede TCP/IP existente. Na Parte 9 fiz uma apresentação do serviço Dynamic Host Configuration Protocol – DHCP. Nesta décima parte falarei sobre mais um serviço de rede do Windows 2000 Server e Windows Server 2003: WINS

O WINS é a abreviatura de Windows Internet Name Services. É um serviço de resolução de nomes. Mais um? O DNS já não é um serviço de resolução de nomes? Sim para as duas questões. O WINS é mais um serviço de resolução de nomes, que é mantido por questões de compatibilidade com versões anteriores do Windows (95, 98, Me, 3.11) e de compatibilidade com aplicações mais antigas, que ainda dependam da resolução de nomes NetBios, a qual é feita pelo WINS.

Todo computador tem dois nomes: um chamado nome de hosts e um nome NetBios. Claro que estes nomes devem ser iguais. Por exemplo, o computador micro01.abc.com.br tem um nome de host micro01 e, por coerência, o nome NetBios também deve ser micro01. Eu digo deve ser, porque em clientes mais antigos, tais como o Windows 95, Windows 98 ou Windows Me, o nome de host e o nome NetBios são configurados em diferentes opções do Windows e podem ser diferentes, embora não seja nada coerente configurar nomes diferentes.

O WINS é um serviço que permite que os clientes façam o  registro do nome NetBios, dinamicamente durante a inicialização. O cliente registra o seu nome NetBios e o respectivo endereço IP. Com isso o WINS vai criando uma base de nomes NetBios e os respectivos endereços IP, podendo fornecer o serviço de resolução de nomes NetBios na rede.

Conforme você verá nesta introdução, o WINS apresenta um espaço de nomes chamado plano (flat), sem domínio e sem nenhuma hierarquia (muito diferente do que acontece no DNS, onde temos um espaço de nomes hierárquico, conforme descrito na Parte 9 deste tutorial).

Entendendo o que é e como funciona o WINS

O Windows Internet Name Service – WINS é um serviço para resolução de nomes. Mais um, pode perguntar o amigo leitor. Sim, além do DNS o Windows 2000 Server (a exemplo do Windows Server 2003 e do NT Server 4.0) também fornece mais um serviço para resolução de nomes – WINS.

O WINS tem muitas diferenças em relação ao DNS. A primeira e fundamental delas é que o WINS não forma um espaço de nomes hierárquico como o DNS. O espaço de nomes do WINS é plano (flat).

Em uma base de dados WINS fica registrado apenas o nome NetBios do computador e o respectivo número IP. Poderíamos até dizer que o WINS está para a resolução de nomes NetBios, assim como o DNS está para a resolução de nomes FQDN (descritos na Parte 9).

A grande questão que continua é: “Porque dois serviços diferentes para a resolução de nomes”?? O que acontece é que até o NT Server 4.0, o WINS era o serviço de resolução de nomes mais utilizado e o suporte ao DNS só erá obrigatório se aglum serviço dependesse do DNS. Na época do NT Server 4.0, com a maioria dos clientes baseados em Windows 95/98 (ou até mesmo Windows 3.11), o WINS era o serviço de nomes mais utilizado. Porém a partir do Windows 2000 Server, com o Active Directory, o DNS passou a ser o serviço preferencial para a resolução de nomes (e obrigatório para o caso do Active Directory).

Porém da mudança do WINS para o DNS, obviamente que existe um período de transição. É exatamente este período que estamos vivendo, ou seja, com clientes (Windows 95/98/Me) e aplicativos que ainda dependem do WINS. Por isso que, muito provavelmente, você ainda precsará do WINS para dar suporte a estes clientes e aplicativos mais antigos, ainda dependentes do WINS.

Com o WINS, sempre que um cliente configurado para utilizar um servidor WINS, é inicializado, o cliente, automaticamente, registra o seu nome NetBios e o respectivo endereço IP, na base de dados do servidor configurado como Wins Primário, nas propriedades do TCP/IP do cliente. Os nomes NetBios podem ter até 15 caracteres. Na verdade são 16 caracteres, mas o décimo sexto é reservado para uso do sistema operacional. O Windows 2000 Server registra, para um mesmo computador, o nome NetBios mais de uma vez, apenas mudando o décimo sexto caractere. Este caractere indica um serviço específico no computador. Falarei mais sobre estes nomes logo adiante.

Algumas características do WINS

O WINS  apresenta as seguintes características:

  • Um banco de dados dinâmico de nomes NetBios para endereço IP,  o qual fornece o suporte para resolução e registro do nome NetBios dos computadores da rede. O serviço WINS é instalado em um ou mais servidores da rede. O número IP do servidor WINS deve ser informado nos clientes, quer seja configurando manualmente as propriedades do protocolo TCP/IP do cliente, quer seja através do uso do DHCP para efetuar estas configurações.
  • Gerenciamento centralizado do banco de dados de nome para endereço, minorando a necessidade de gerenciamento de arquivos Lmhosts. O arquivo Lmhosts é um arquivo de texto, na qual podem ser criadas entradas para resolução de nomes NetBios. O arquivo Lmhosts fica na pasta systemroot\system32\drivers\etc, onde systemroot representa a pasta onde está instalado o Windows 2000 Server, Windows XP ou Windows Server 2003. Podemos dizer que o Lmhosts representa para o WINS, o mesmo que o arquivo hosts representa para o DNS. Na verdade, na pasta indicada anteriormente, é gravado, por padrão, um arquivo chamado Lmhosts.sam. O administrador, caso necessite utilizar um arquivo Lmhosts, pode renomear este arquivo (de Lmhosts.sam para Lmhosts) e criar as entradas necessárias.
  • O uso do WINS fornece Redução de tráfego de broadcast, gerado para a reoslução de nome NetBios. Se os clientes dependentes do WINS, não estiverem configurados com o número IP de pelo menos um servidor WINS, eles irão gerar tráfego de Broadcast na rede local, para tentar resolver nomes. Por padrão os roteadores bloqueiam tráfego de broadcast. Com isso, sem o uso do WINS, para clientes que dependem do WINS, não haveria como fazer a resolução de nomes de servidores que estão em outras redes (redes remotas, ligadas através de links de WAN e roteadores). Através do mecanismo de replicação, é possível manter vários servidores WINS, em diferentes redes, com o mesmo banco de dados, com informações de todos os computadores da rede, mediante o uso de replicação.
  • É possível integrar o WINS com o DNS, para que o WINS possa respodner consultas às quais o DNS não conseguiu responder.

Como saber se ainda devo utilizar o WINS?

Pode parecer que o WINS tem muitas vantagens, então deve realmente ser utilizado. Não é bem assim. Só é justificado o uso do WINS se houver versões antigas do Windows (Windows 3.11, Windows 95, Windows 98 ou Windows Me) ou aplicações que dependam do WINS. Neste ítem vou detalhar um pouco mais sobre em que situações você ainda terá que utilizar o WINS.

Antes de mostrar quando você deve utilizar, vou descrever algumas situações em que, com certeza, você não precisará utilizar o WINS:

  • A sua rede é baseada apenas em servidores como Windows 2000 Server ou Windows Server 2003 e os clientes são baseados no Windows 2000 Professional, Windows XP Professional ou Windows Vista. Com uma rede nesta situação, com certeza o DNS está instalado e funcionando. Nesta situação não existe nenhuma dependência do WINS para a resolução de nomes, uma vez que o DNS atende perfeitamente a necessidade de resolução de nomes no cenário proposto.
  • Se você tem uma pequena rede, com até 20 computadores, localizados em um único escritório, e a rede é utilizada para compartilhamento de arquivos, impressoras e para aplicações, não é necessário o uso do WINS. Mesmo que alguns clientes ou aplicações necessitem de resolução de nome NetBios, poderão fazê-lo, sem problemas, usando broadcast. Devido ao pequeno número de computadores, o tráfego de broadcast, devido à resolução de nomes NetBios não representará um problema.

Ao decidir se precisa usar o WINS, você deve primeiro considerar as seguintes questões:

  • Tenho computadores na rede que exigem o uso de nomes de NetBIOS? Lembre que todos os computadores em rede que estiverem sendo executados com um sistema operacional da Microsoft antigo, como as versões do MS-DOS, Windows 95/98 ou Windows NT 3.51/4.0, exigem suporte a nomes de NetBIOS. O Windows 2000 é o primeiro sistema operacional da Microsoft que não requer mais a nomeação de NetBIOS. Portanto, os nomes de NetBIOS ainda podem ser exigidos na rede para fornecer serviços de compartilhamento de arquivo e impressão básicos e para oferecer suporte a diversas aplicações existentes, as quais ainda dependam da resolução de nomes NetBios. Por exemplo, um cliente baseado no Windows 95, depende do nome NetBios do servidor, para poder acessar uma pasta compartilhada no servidor. Você não conseguirá usar o nome DNS do sevidor, como por exemplo: \\srv01.abc.com\documentos, em clientes com versões antigas do Windows, conforme as descritas no início deste parágrafo. Nestes clientes você tem que usar o nome NetBios do servidor, como por exemplo: \\srv01\documentos.
  • Todos os computadores na rede estão configurados e são capazes de oferecer suporte ao uso de outro tipo de nomeação de rede, como por exemplo o DNS (Domain Name System, sistema de nomes de domínios)? A nomeação de rede é um serviço vital para a localização de computadores e recursos por toda a rede, mesmo quando os nomes NetBIOS não sejam exigidos. Antes de decidir eliminar o suporte a nomes de NetBIOS ou WINS, certifique-se de que todos os computadores e programas na rede são capazes de funcionar usando outro serviço de nomes, como o DNS. Nesta etapa é muito importante que você tenha um inventário de software atualizado. Com o inventário de software você tem condição de saber quais programas ainda dependem da resolução de nomes NetBios.

Promoção: Livro Windows Server 2012 R2 e Active Directory - Curso Completo, 2100 Páginas. Tudo para você se tornar um administrador de redes altamente qualificado para o mercado de trabalho e levar a sua carreira para o próximo nível!

Promoção: Livro Windows Server 2012 R2 e Active Directory

Curso Completo, 2100 páginas.

Tudo para você se tornar um administrador de redes altamente qualificado para o mercado de trabalho e levar a sua carreira para o próximo nível!

MAIS DETALHES | COMPRAR ESTE LIVRO


Os clientes WINS que estejam executando sob o Windows 2000, Windows Server 2003 ou Windows XP Professional, são configurados por padrão para usar primeiro o DNS para resolver nomes com mais de 15 caracteres ou que utilizem pontos (".") dentro do nome. Para nomes com menos de 15 caracteres e que não utilizem pontos, o Windows primeira tenta resolver o nome usando WINS (se este estiver configurado), caso o WINS venha a falhar, o DNS será utilizado na tentativa de resolver o nome.

Clientes suportados pelo WINS

O WINS é suportado por uma grande variedade de clientes, conforme descrito na lista a seguir:

  • Windows Server 2003
  • Windows 2000
  • Windows NT 3.5 ou superior
  • Windows 95/98/Me
  • Windows for Workgroups 3.11
  • MS-DOS com Cliente de Rede Microsoft versão 3
  • MS-DOS com LAN Manager versão 2.2c
  • Clientes Linux e UNIX, rodando o servço Samba

Nota: É possível criar entradas estáticas no WINS (criadas manualmente), para clientes não suportados pelo WINS. Porém esta não é uma prática recomendada e somente deve ser utilizada quando for absolutamente necessária.

Não esqueça: Fique atento a este ponto, ou seja, criação de entradas estáticas. Por exemplo, se você tem clientes antigos, como o Windows 95 ou Windows 98,  que precisam acessar recursos em um servidor UNIX ou Linux, o qual não pode ser cliente do WINS, ou seja, não é capaz de registrar seu nome no WINS, o que fazer? Neste caso você deve criar uma entrada estática no WINS, para o nome do servidor UNIX ou Linux e o respectivo endereço IP. Com isso, os clientes mais antigos poderão acessar os recursos do servidor UNIX.

Como funciona o WINS

Os servidores WINS mantém uma base de dados com nomes dos clientes configurados para utilizar o WINS e os respectivos endereços IP. Quando uma estação de trabalho configurada para utilizar o WINS é inicializada, ela registra o seu nome NetBios e o seu endereço IP no banco de dados do servidor WINS. A estação de trabalho utiliza o servidor WINS, cujo endereço IP está configurado como WINS Primário, nas propriedades do protocolo TCP/IP (quer estas configurações tenham sido feitas manualmente ou via DHCP. Para informações detalhadas sobre o DHCP, consulte a Parte 9 deste tutorial). Quando o cliente é desligado, o registro do nome e do endereço IP é liberado no servidor WINS. Com isso a base de dados do WINS é criada e mantida, dinamicamente.

Os nomes NetBios podem ter, no máximo 15 caracteres. Um 16º caractere é registrado pelo serviço WINS. Este caractere adicional é utilizado para indicar um determinado tipo de serviço. Por exemplo, um servidor pode ter o seu nome registrado no WINS várias vezes. O que diferencia um registro do outro é o 16º caractere, o qual indica diferentes serviços. O 16º caractere está no formato de número Hexadecimal. A seguir, a título de exemplo, alguns dos valores possíveis para o 16º caractere e o respectivo significado:

  • nome_de_domínio[1Bh]: Registrado por cada controlador de domínio do Windows NT Server 4.0 que esteja executando como PDC (Primary Domain Controller) do respectivo domínio. Esse registro de nome é usado para permitir a procura remota de domínios. Quando um servidor WINS é consultado para obtenção desse nome, ele retorna o endereço IP do computador que registrou o nome.
  • nome_de_computador[1Fh]: Registrado pelo serviço Network Dynamic Data Exchange (NetDDE, intercâmbio dinâmico de dados de rede). Ele aparecerá somente se os serviços NetDDE forem iniciados no computador.

Você pode exibir a lista de nomes (na verdade o mesmo nome, apenas diferenciando o 16º caractere) registrados para um determinado computador, utilizando o seguinte comando:

nbtstat –a nome_do_computador

Por exemplo, o comando a seguir retorna a lista de nomes registrados no WINS, pelo computador chamado servidor:

nbtstat –a servidor

Este comando retorna o resultado indicado a seguir:

C:\>nbtstat -a servidor

Local Area Connection:
Node IpAddress: [10.10.20.50] Scope Id: []

NetBIOS Remote Machine Name Table

       Name                        Type  Status
    -------------------------------------------
    SERVIDOR           <00>  UNIQUE      Registered
    SERVIDOR           <20>  UNIQUE      Registered
    GROZA                <00>  GROUP        Registered
    GROZA                <1C>  GROUP       Registered
    GROZA                <1B>  UNIQUE      Registered
    GROZA                <1E>  GROUP       Registered
    SERVIDOR           <03>  UNIQUE     Registered
    GROZA                <1D>  UNIQUE     Registered
    ..__MSBROWSE__.         <01>  GROUP       Registered
    INet~Services     <1C>  GROUP       Registered
    IS~SERVIDOR....  <00>  UNIQUE     Registered
    ADMINISTRADOR  <03>  UNIQUE     Registered

    MAC Address = 00-00-21-CE-01-11

Para que as estações de trabalho da rede possam utilizar o servidor WINS, basta informar o número IP do servidor WINS nas propriedades avançadas do protocolo TCP/IP da estação de trabalho. Uma vez configurado com o número IP do servidor WINS, o cliente, durante a inicialização, registra o seu nome NetBios, automaticamente com o servidor WINS.

O cliente WINS utiliza diferentes métodos para a resolução de nomes NetBios. Estes diferentes métodos são identificados como: b-node, p-node, m-node e h-node. A seguir descrevo a diferença entre estes métodos:

  • b-node: Um cliente configurado com este método de resolução utiliza somente broadcast para a resolução de nomes NetBios. Se não houver um servidor WINS na rede ou o servidor WINS não estiver configurado nas propriedades avançadas do TCP/IP, este é o método padrão utilizado.
  • p-node: Utiliza somente o servidor WINS. Se o WINS falhar em resolver o nome, o cliente não tentará outro método.
  • m-node: Utiliza primeiro broadcast, se não conseguir resolver o nome usando broadcast, então utiliza o servidor WINS.
  • h-node: Primeiro utiliza o servidor WINS, somente se o WINS falhar é que será tentado o broadcast. Este método reduz o tráfego de broadcast na rede. É o método padrão para clientes configurados para utilizar um servidor WINS.

Conclusão

Nesta parte do tutorial fiz a apresentação do serviço WINS. Nas próximas partes deste tutorial, falarei sobre os demais serviços do Windows 2000 Server e do Windows Server 2003, diretamente ligados ao TCP/IP, tais como o RRAS e IPSec.

 

Outras partes do Tutorial

Parte 1 Introdução ao TCP /IP Parte 17 ICF– Internet Connection Firewall Parte 33 DNS - Configurando Servidor somente Cache
Parte 2 Números Binários e Máscara de Sub-Rede Parte 18 Introdução ao IPSec Parte 34 DNS - Configurações do Cliente
Parte 3 Classes de Endereços Parte 19 Certificados Digitais e Segurança Parte 35 DNS - Comandos ipconfig e nslookup
Parte 4 Introdução ao Roteamento IP Parte 20 NAT – Network Address Translation Parte 36 DHCP – Instalação do DHCP no Windows 2000 Server
Parte 5 Exemplos de Roteamento Parte 21 Roteiro para Resolução de Problemas Parte 37 DHCP – Entendendo e Projetando Escopos
Parte 6 Tabelas de Roteamento Parte 22 DNS - Instalação do DNS Server Parte 38 DHCP – Entendendo e Projetando Escopos
Parte 7 Sub netting – divisão em sub-redes Parte 23 DNS - Criando Zonas no DNS Parte 39 DHCP – Configurando Opções do Escopo
Parte 8 Uma introdução ao DNS Parte 24 DNS - Tipos de Registros no DNS Parte 40 Configurando as Propriedades do Servidor DHCP
Parte 9 Introdução ao DHCP Parte 25 DNS - Criando Zonas Reversas Parte 41 Implementação e Administração do WINS – Parte 1
Parte 10 Introdução ao WINS Parte 26 DNS - Criando Registros Parte 42 Implementação e Administração do WINS – Parte 2
Parte 11 TCP , UDP e Portas de Comunicação Parte 27 DNS - Propriedades de Zona Parte 43 Implementação e Administração do WINS – Parte 3
Parte 12 Portas de Comunicação na Prática Parte 28 DNS - Segurança de Acesso Parte 44 Implementação e Administração do RRAS – Parte 4
Parte 13 Instalação e Configuração Parte 29 DNS - Forwarders Parte 45 Implementação e Administração do RRAS – Parte 5
Parte 14 Protocolos de Roteamento Dinâmico - RIP Parte 30 DNS - Round-robin Parte 46 Implementação e Administração do RRAS – Parte 6
Parte 15 Protocolos de Roteamento Dinâmico - OSPF Parte 31 DNS - Zonas secundárias Parte 47 Implementação e Administração do RRAS – Parte 7
Parte 16 Compartilhando a Conexão Internet Parte 32 DNS - Integração com o Active Directory Parte 48 Implementação e Administração do RRAS – Parte 8

CURSOS ONLINE DE REDES E TCP/IP
Quer receber novidades e e-books gratuitos?

Cursos Online

  • Banco de Dados
  • Carreira
  • Criação/Web
  • Excel/Projetos
  • Formação
  • + Todas as categorias
  • Contato: Telefone: (51) 3717-3796 | E-mail: webmaster@juliobattisti.com.br | Whatsapp: (51) 99627-3434

    Júlio Battisti Livros e Cursos Ltda | CNPJ: 08.916.484/0001-25 | Rua Vereador Ivo Cláudio Weigel, 537 - Universitário, Santa Cruz do Sul/RS, CEP: 96816-208

    Todos os direitos reservados, Júlio Battisti 2001-2019 ®

    [LIVRO]: MACROS E PROGRAMAÇÃO VBA NO EXCEL 2010 - PASSO-A-PASSO

    APRENDA COM JULIO BATTISTI - 1124 PÁGINAS: CLIQUE AQUI